Notícias

PODRIDÃO: Soja estragada causa mal estar à comunidade em área nobre da capital

No ano passado, a Polícia Civil levantou suspeita de que essa soja estaria sendo secada e vendida a comunidades rurais da capital

Um imenso carregamento de soja que chegou a ser alvo de operação da Polícia Civil em setembro do ano passado está apodrecendo em um terreno localizado dentro de uma área nobre de Porto Velho, entre diversos empreendimentos comerciais e prédios residenciais.

A soja veio de uma embarcação que naufragou no rio Madeira em julho de 2019, ele pertencia ao grupo alimentício multinacional Cargil, que contratou a empresa Amazonfort para a realização do transporte e destinação final do material que já não servia para o consumo.

No ano passado, a Polícia Civil levantou suspeita de que essa soja estaria sendo secada e vendida a comunidades rurais da capital de Rondônia, fato que foi negado pela empresa responsável.

Na época, a empresa afirmou que a soja estaria sendo secada por outra empresa e retornaria para eles, onde seria promovida a incineração de todo o material inservível.

A reclamação das centenas de pessoas que convivem diariamente ao lado desse armazenamento indevido é a mesma, o cheiro podre, que se assemelha à um cadáver em decomposição.

Um hotel, a sede de uma empresa de transporte, uma mega loja, além de condomínios verticais, estão entre os vizinhos da área.

Na manhã desta segunda-feira (3) o repórter William Ferreira “Homem do Tempo”, foi até o local, entre as avenidas Tiradentes e Imigrantes, e constatou o carregamento de soja alojado nesse terreno.

Confira vídeo:

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios