NotíciasSaúdeÚltimos Artigos

‘Os pais correm risco de morrer pela atitude dela’: médicos fazem alerta a quem participa de festas de ano novo

Epidemiologistas ouvidos pela BBC News Brasil dizem que os jovens que decidem participar de aglomerações devem ter consciência sobre o risco que impõem para familiares e colegas de trabalho.

Às vésperas das comemorações de ano novo e no auge da temporada de turismo, epidemiologistas alertam para os riscos de pessoas participarem de aglomerações e aumentarem a transmissão do vírus. O impacto, explicam os médicos, começa no local da festa e depois coloca em risco familiares, colegas de trabalho e outras pessoas do convívio social que não necessariamente participaram de comemorações.

Oportunidade para aglomerar não tem faltado: São Paulo, Rio de Janeiro e destinos turísticos como Trancoso e Caraíva, na Bahia, são alguns dos vários locais onde festas irregulares (com aglomeração e sem uso de máscara) vêm sendo registradas, às vezes interrompidas por bombeiros ou pela Polícia Militar.

“Nem todo mundo tem a percepção de que o problema é que ele vai ser o transmissor para o pai dele ou que vai passar doença para o amigo, que vai passar para o pai. As pessoas não têm percepção de quanto fazem parte dessa cadeia”, diz o epidemiologista Márcio Bittencourt.

Pesquisador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário da USP, ele diz que quem vai participar de festas deve entender que “existe chance, que não é pequena, de isso se tornar uma complicação para o pai de algum deles, mãe de algum deles, talvez para a avó”.

Bittencourt destaca o risco para as pessoas do entorno que não têm a opção de controlar o contato, como familiares e colegas de trabalho.

“Tenho uma amiga que mora com os pais de 90 anos. Se ela pegar e passar para os pais, eles têm risco de morrer pela atitude dela. E não é questão de se ela vai ter ou não um caso complicado (de covid-19). Se ela, depois de voltar da festa, for viver no convívio familiar com os pais que moram com ela, não há escolha. O risco está presente.”

Na mesma linha, a epidemiologista Glória Teixeira, professora do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA), diz que, enquanto muitas pessoas continuam a restringir contatos, outras não têm a consciência de que passar a virada de ano sem aglomerar “é muito melhor porque pode evitar que um parente morra, um amigo morra, seja hospitalizado”.

“É muito difícil porque a sociedade está cansada, houve um prejuízo econômico muito grande no comércio e especialmente no turismo. Entendemos que é difícil, mas temos que apelar para o senso de solidariedade das pessoas, de que ao se proteger ela não só está se protegendo como está protegendo o outro.”

O Brasil já registrou mais de 190 mil mortes devido à covid-19 e segue como o segundo país com maior número de mortes na pandemia do novo coronavírus, depois apenas dos Estados Unidos.

Disputa no sul da Bahia

Governo da Bahia proibiu festas e diz que monitora eventos em destinos como Trancoso (foto de arquivo), no litoral sul da Bahia

Governo da Bahia proibiu festas e diz que monitora eventos em destinos como Trancoso (foto de arquivo), no litoral sul da Bahia

BBC NEWS BRASIL / GETTY IMAGES

O litoral sul da Bahia virou palco de uma disputa formal sobre a realização de festas.

A atenção está voltada principalmente para destinos muito procurados por turistas, como Trancoso e Caraíva. Os dois ficam localizados no município de Porto Seguro, onde há, segundo dado atualizado até terça-feira (29/12), apenas dois leitos de UTI desocupados.

O simbólico congestionamento de jatinhos no aeroporto de Trancoso, noticiado nos dias que antecedem o Réveillon, chamou atenção para a movimentação no destino já conhecido por receber milionários e celebridades.

Às vésperas do Réveillon, a imprensa local também divulgou imagens com aglomeração de pessoas sem máscara em Caraíva e noticiou, na terça-feira (29), que a Polícia Militar encerrou uma festa particular em um condomínio de luxo em Trancoso.

Na Bahia, está em vigor um decreto estadual que proíbe shows e festas, públicos ou privados, independentemente do número de participantes.

O assunto, no entanto, virou tema para a Justiça. Um juiz chegou a autorizar a realização de festas de ano novo em estabelecimentos de Porto Seguro, mas a decisão de uma desembargadora nesta terça-feira voltou a proibi-los, a pedido da Procuradoria Geral do Estado.

O governo da Bahia informou que “está intensificando o trabalho de inteligência, por meio da Secretaria da Segurança Pública, para atuar com a força policial do Estado encerrando festas e shows que tentarem desrespeitar o decreto”.

Redes sociais e grupos de WhatsApp estão sendo monitorados para tentar identificar eventos que não foram anunciados publicamente, segundo a assessoria de imprensa do governo baiano.

“Alguns eventos tentam a estratégia de fazer divulgação e venda sem muito alarde, por meio de WhatsApp e redes sociais, mas nosso objetivo é impedir que essas festas aconteçam”, informou a assessoria.

A Polícia Militar divulgou vídeo no qual diz que não vai “tolerar qualquer tipo de festas e aglomerações que venham perturbar a ordem pública e colocar em risco a vida das pessoas”.

https://www.facebook.com/pmdabahia/videos/5000685393307370

Até a última semana de dezembro, Porto Seguro, que tem 150 mil habitantes, registrou mais de 4,3 mil casos de covid-19 e mais de 80 mortes.

No mesmo período, a Bahia já acumula mais de 480 mil casos de covid-19 registrados, e o número de mortes já passou de 9 mil no Estado, segundo dados compilados pela Fiocruz.

Glória Teixeira, da UFBA, diz que, se aglomerações não forem impedidas, haverá aumento no número de casos e não descarta problema de falta de leitos. “Aumentar o número de casos significa aumentar o número de mortes.”

Só festa é aglomeração?

Embora a recomendação seja evitar muito contato com pessoas que não vivem na mesma casa, especialistas dizem que é compreensível o cansaço em relação às restrições impostas pela pandemia e afirmam que uma viagem, por si só, não é o maior problema — eles apontam, inclusive, que a pandemia já está disseminada pelo país.

“A transmissão está sustentada no país inteiro. Não tem cidade de porte um pouco maior no Brasil que não tenha transmissão comunitária sustentada intensa”, diz Bittencourt.

O médico diz, no entanto, que o risco está no formato das viagens de fim de ano. “O problema é que a dinâmica da maioria das pessoas no fim de ano, em particular no ano novo, não é viajar só um casal para ficar num lugar tranquilo sozinho.”

E uma aglomeração não é caracterizada apenas por um cenário de festa com 200 pessoas, afirma Bittencourt.

“Existe talvez uma falsa impressão de que se o grupo não é muito grande, isso não conta. Mas se você está em 10 pessoas em uma casa, isso é uma aglomeração. Se essas pessoas não moram juntas e vão passar o fim de ano, uma semana de viagem, em 10, 20 pessoas juntas, isso é uma aglomeração de risco.”

O que seria menos arriscado, então?

O médico recomenda que as pessoas só se reúnam em grupos pequenos, em núcleos isolados, que interajam o mínimo com os outros.

“Se moro em cinco pessoas e vou em cinco para a praia, não levo o risco muito mais longe do que era aqui. Claro que você interage um pouco, mas é um risco menor. Mas se você vai com 20 amigos ficar numa casa de praia, em que cada um mora em uma casa, e cada um volta para sua família depois, a chance de ter vindo contaminado é grande. Agora vai contaminar a família dele.”

O médico diz que, por exemplo, um encontro de dois núcleos familiares, com 6 a 8 pessoas, observando cuidados de distanciamento, “é um risco razoável”.

“Até dois a três núcleos familiares — para um evento em ambiente aberto, não para ficar numa casa uma semana — é um número não necessariamente bom, mas limite. Mas se estiver indo a uma casa com 20 pessoas ou a festa com 50 pessoas, minha recomendação é não ir.”

Celebridades em festa

Em alguns casos, os encontros são organizados por celebridades. E são exatamente as pessoas que atraem atenção de tanta gente que deveriam dar o exemplo para seus fãs, diz Teixeira.

“Se são pessoas famosas, com seguidores e fãs, deveriam dar o exemplo para a sociedade. Dizer ‘gostaria de estar lá e não vou’. Ou vai e fica dentro de casa porque não quer contribuir com casos e mortes. Esse deveria ser um papel fundamental”, diz a epidemiologista, sem fazer referência a uma festa ou celebridade específica.

Segundo jornal, festa de fim de ano de Neymar deve reunir mais de uma centena de pessoas

Segundo jornal, festa de fim de ano de Neymar deve reunir mais de uma centena de pessoas

BBC NEWS BRASIL / AFP

Nos últimos dias, virou notícia uma festa promovida por Neymar — que, segundo o jornal O Globo, teve início na sexta-feira (25) e vai até a virada do ano, em uma mansão em Mangaratiba, no Rio de Janeiro.

A BBC News Brasil ouviu especialistas sobre o tema, que afirmaram que festas como a do atacante do Paris Saint-Germain podem ser consideradas eventos “superdisseminadores” do coronavírus, por reunir diversas pessoas em um ambiente fechado.

“Não existe nenhum protocolo de segurança que permita esse tipo de festa. Todos os protocolos, como o uso de máscaras e o distanciamento de até dois metros, são válidos para pequenas reuniões de quatro ou cinco pessoas”, disse a microbiologista Natalia Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência.

A assessoria de imprensa de Neymar nega que ele tenha organizado uma festa de Réveillon. Em suas redes sociais, o atleta não se pronunciou sobre o caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios